Bahia e Portugal firmam cooperação pró-imóveis históricos

Em solo português, vice-governador e titular da SDE, João Leão segue prospectando investidores para o estado

A Bahia deve assinar um termo de cooperação técnica com o governo de Portugal para implantação de um programa de requalificação de Centros Antigos, com foco no aproveitamento turístico do conjunto de imóveis do Estado que possuem valor arquitetônico, patrimonial, histórico e cultural. A proposta surgiu durante reunião do vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico, João Leão, e a secretária de Estado do Turismo do país lusitano, Ana Mendes Godinho, na terça-feira (14), em Lisboa.

“O Centro Histórico de Salvador é belíssimo e estava esquecido. Rui Costa já iniciou uma série de intervenções para melhorias no local e, agora, queremos aprender com o modelo bem-sucedido implantado pelos portugueses, chamado Programa Revive, e praticá-lo em todo o estado”, destacou Leão.

O programa Revive, explicou Ana Mendes, que tem status de ministra, é uma iniciativa conjunta dos Ministérios da Economia, da Cultura e das Finanças de Portugal que tem como meta recuperar os imóveis, muitas vezes degradados, por meio de investimentos privados, e torná-los aptos a desenvolver uma atividade econômica – dos ramos da hotelaria, gastronomia ou comércio diverso. Segunda ela, este modelo promove o desenvolvimento da economia e tem impacto positivo no social.

O Revive já cadastrou e lançou consulta pública para concessão de 17 imóveis históricos, outros 15 estão sendo catalogados e serão lançados até junho. Destes, nove já foram contratados pela iniciativa privada. O programa faz parte de um movimento mundial de reaproveitamento do patrimônio arquitetônico antigo, como palácios e conventos históricos.

Em junho, o vice-governador deve voltar à Portugal para assinar a cooperação técnica internacional Bahia-Portugal. Antes, ao retornar à Bahia, João Leão vai debater a proposta com o governador Rui Costa, a Setur, a Secult e o IPHAN.

Acompanhe o Caderno de Notícias no FacebookInstagramYouTube e Twitter.

Carregar mais em Bahia

Vejam também

Industria calçadista emprega cerca de 31 mil pessoas na Bahia

A descentralização de fábricas de calçados, por meio da oferta de incentivos fiscais do Go…